Renata Zitto

Clínica Renata Zito

Rua Manuel da Nóbrega, 1.654 - Ibirapuera / SP
11. 3885-0446 | 3051-5376 | 3051-7993

Renata Zitto

Cálculo Renal

O que é cálculo renal?
Cálculos renais, cálculos urinários, urolitíase, nefrolitíase, ou "pedra nos rins" são concreções de cristais minerais que se formam no interior da árvore urinária e que podem migrar através dela ou obstrui-la, causando dor. Eles começam bem pequenos e vão crescendo progressivamente, podendo atingir tamanhos descomunais, em referência às dimensões dos rins.

Incidem mais nos homens do que nas mulheres. Na maior parte dos casos, os cálculos são formados por uma combinação de cálcio, oxalato e fosfato. Os cálculos de ácido úrico são menos comuns. Há também outros elementos capazes de formá-los e alguns cálculos são formados por uma associação de vários elementos. Aqueles devido a infecções - chamados estruvitas - são ainda menos comuns, mas podem atingir grandes tamanhos.

Quais são as causas dos cálculos renais?
Nem sempre é possível saber a causa da formação dos cálculos renais. Embora se saiba que certos alimentos favoreçam a sua formação em pessoas susceptíveis, parece que nenhum alimento específico causa cálculos renais em pessoas não susceptíveis.
Há uma implicação de fator familiar na formação de cálculos. Pessoas em que membros da família tenham o problema têm maior possibilidade de também desenvolver "pedras nos rins".

Outros fatores relacionados à formação de cálculos são as infecções, transtornos bioquímicos ou do fluxo urinário e algumas perturbações metabólicas sistêmicas. Algumas medicações à base de cálcio (diuréticos e antiácidos, por exemplo), também parecem aumentar a chance da formação de "pedras nos rins". A inflamação crônica do intestino é outro fator que pode favorecer a formação de cálculos renais.

Os cálculos formados por oxalato de cálcio costumam ter sua incidência diminuída quando se evita alimentos ricos em oxalato, como: Espinafre, beterraba, germe de trigo, amendoim, chocolate, chá preto indiano, batata doce, uva, aipo, pimentão, morango e fígado.

Quais são os sintomas gerados pelos cálculos renais?
O sintoma mais chamativo devido à presença de "pedras nos rins" é a temível cólica renal. Em geral, ela provoca uma dor intensa, localizada em um dos flancos e que pode se irradiar para a parte anterior baixa do abdome, no trajeto ao longo dos ureteres, em direção aos testículos, nos homens, e aos grandes lábios, nas mulheres. Quase sempre é uma dor intensa, repentina e inesperada que surpreende o paciente em meio às suas atividades normais ou mesmo dormindo. Ela não responde com pioras ou melhoras a manobras físicas, como mudanças de posição, compressões, etc.

É frequente haver náuseas, vômitos, urgência ou desconforto para urinar, palidez, taquicardia e sudorese. Se houver infecção urinária, pode ocorrer febre (geralmente baixa). Quando a obstrução dos ureteres se dá na parte distal, a dor pode manifestar-se na fossa ilíaca do mesmo lado e na parte inferior do abdome.

Como o médico diagnostica a presença de cálculos renais?
Quando há cólicas as dores são muito sugestivas. Mas elas podem ser menos típicas e há mesmo cálculos que permanecem sem gerar sintomas por longos períodos, ou mesmo definitivamente, o que não é infrequente.

Exames de imagens como radiografias ou ultrassonografias podem indicar a presença de cálculos. Exames um pouco mais sofisticados, como a urografia excretora, podem ajudar na localização dos mesmos. Se for necessário, exames de tomografia computadorizada e ressonância nuclear magnética podem completar o diagnóstico.

Como o médico trata os cálculos renais?
Tratada a cólica renal, o passo seguinte deve ser remover o cálculo. Se ele é detectado antes da cólica, deve ser removido preventivamente. Um recurso simples, para auxiliar na prevenção da formação de cálculos e na eliminação deles é o aumento da ingestão de água.

Isso, contudo, não deve ser feito durante as cólicas porque aumentaria a produção de urina, que encontraria obstruídas as vias urinárias. Anos atrás, os cálculos renais que não eram eliminados espontaneamente só podiam ser retirados por meio de cirurgia; atualmente, busca-se quebrá-los em partículas menores, capazes de serem carregadas pela urina.

Para fazer isso, usam-se diferentes formas de energia (eletricidade, ultrassom, raio laser e impactos mecânicos). A litotripsia extracorpórea, por exemplo, usa ondas de choque que atravessam o corpo do paciente e procuram atingir o cálculo, para fragmentá-lo.

As pedras nos rins também podem ser retiradas através de endoscópios, finos tubos que possuem iluminação na extremidade e que são introduzidos na árvore urinária a partir da uretra. Outra técnica de tratamento é por meio da nefrolitotomia percutânea.

Por ela, um tubo rígido é colocado no rim através da pele e por ele são retiradas as "pedras". Outro método, ainda, que pode ser utilizado é Alaparoscopia, um procedimento cirúrgico minimamente invasivo realizado sob efeito de anestesia.

Como evoluem os cálculos renais?
O processo de formação de cálculos renais é permanente. Quem já sofreu uma cólica renal quase provavelmente sofrerá outra (s). A melhor maneira de prevenir os cálculos renais é aumentar a ingestão de água. Os cálculos renais duradouros, mesmo se assintomáticos, podem gerar dilatação e deformidade da árvore urinária e dos rins e infecção urinária.

Fonte: ABC.MED.BR, 2013: http://www.abc.med.br/p/363944/calculo-renal-definicao-causas-sintomas-diagnostico-tratamento-e-evolucao.htm

Clínica de Ginecologia Ibirapuera . São Paulo - SP

Rua Manuel da Nóbrega, 1.654
11. 3885-0446 | 3051-5376 | 3051-7993

* Valet com manobrista no local

Acessar Facebook Renata Zito

Imprensa Fale conosco

ATENÇÃO
As informações apresentadas por este site
não substituem o acompanhamento de um Ginecologista.
Em caso de dúvidas, consulte seu médico.
Não faça automedicação.
* As imagens deste site são meramente ilustrativas.
Agendamento de Consulta

Clínica de Ginecologia, Reprodução Humana, Obstetricia, Cirurgia Intima e implantes subcutâneos de hormônio.

Copy Right © 2015 Clínica Renata Zito. Todos os direitos reservados. www.RenataZito.com.br